Entrar / criar conta 

Pesquisa
 

Rácio de solvabilidade

Da Thinkfn

O Rácio de solvabilidade é um rácio financeiro que indica a proporção relativa dos activos da empresa financiados por capitais próprios versus financiados por capitais alheios. Sendo tudo o resto igual, quanto mais elevado este rácio, maior a estabilidade financeira da empresa. Quanto mais baixo, maior a vulnerabilidade.

Índice

Cálculo

As variáveis necessárias para calcular o rácio de solvabilidade podem ser obtidas no Balanço. A fórmula de cálculo do rácio de solvabilidade é a seguinte:


{Racio\ Solvabilidade} = \left(\frac {Capitais\ Proprios} {Passivo} \right)


Rácio de endividamento ou Debt/Equity

O Rácio de endividamento é semelhante, apenas invertido. Quanto mais elevado, maior a vulnerabilidade da empresa.


{Racio\ Endividamento} = \left(\frac {Passivo} {Capitais\ Proprios} \right)


Potenciais correcções

Muitos analistas não levam em conta, no passivo, a presença estável de passivos não remunerados, como os resultantes de financiamento de fornecedores, visto que a própria actividade da empresa leva-a a possuir esse tipo de financiamento numa base constante.

O único perigo está numa situação de crise de liquidez, que a tornar-se conhecida leva os fornecedores a cortar o crédito, agravando-a.

Medidas com impacto na solvabilidade

Decorre do próprio rácio de solvabilidade, que as medidas que o favorecem são:

  • Aumentos do Capital próprio;
  • Diminuições do Passivo.

Para aumentar o capital próprio (ou impedir que diminua), a empresa possui diversas alternativas, mais ou menos dentro do seu controle:

  • Efectuar um aumento de capital;
  • Acumular reservas fruto dos resultados líquidos;
  • Minimizar a distribuição de dividendos;
  • Proceder a reavaliações contabilísticas se possuir activos elegíveis.

Para diminuir o passivo, a empresa terá regra geral que diminuir o activo que ele suporta. Isso pode ser alcançado com:

  • Medidas que permitam um maior controle do fundo de maneio, nomeadamente minimizando o investimento em clientes e stocks;
  • Venda de imobilizado que não seja necessário à actividade, ou venda e lease de imobiliário da empresa;
  • Retenção/menor distribuição de dividendos, fazendo maior uso do autofinanciamento.

Ver também