Entrar / criar conta 

Pesquisa
 

Peak oil

Da Thinkfn

Uma curva normal descrevendo a produção global de petróleo de acordo com a teoria de Marion King Hubbert
Previsões do governo estadunidense em 2004 para a produção de petróleo fora dos países da OPEP e ex-União Soviética

O momento em que a produção de petróleo a nível mundial atinge o seu máximo é usualmente conhecido pela expressão Peak Oil (em Português, Pico do Petróleo). Por vezes fala-se também de Pico de Hubbert, em homenagem ao geólogo americano Marion King Hubbert que primeiro estudou, em termos científicos, a curva de produção dos combustíveis fósseis (petróleo, carvão e gás natural). Segundo Hubbert, ao nivel de uma grande região produtiva (que agregue muitos poços e campos individuais) ou, por maioria de razão, ao nível do planeta inteiro, a taxa de produção tende a seguir uma curva em forma de sino, que pode ser aproximada por uma curva normal. Independentemente da forma da curva de produção, no início da curva (pré-pico), a produção aumenta com o acréscimo de infra-estrutura produtiva. Já na fase posterior (pós-pico), a produção diminui devido ao esgotamento do recurso.

Hubbert apresentou um primeiro artigo sobre a disponibilidade e o esgotamento dos combustíveis fósseis em 1949, na influente revista Science [1]. Num artigo de 1956 anunciou a arriscada previsão de que a produção de petróleo nos Estados Unidos contíguos (Alasca excluído) atingiria seu máximo até 1970[2]. Nessa altura os USA eram o maior produtor mundial de petróleo, e a sua produção estava em acelerado crescimento, pelo que esta previsão foi muito contestada. No entanto, veio a revelar-se correcta, uma vez que a produção máxima dos USA ocorreu precisamente em 1970. Em 1971, Hubbert publicou outro artigo, desta vez indicando que o pico mundial de produção de petróleo ocorreria provavelmente por volta do ano 2000. Esta previsão poderia ter-se tambem revelado correcta se as crises politicas das décadas de 1970 e 1980 não tivessem alterado o ritmo anterior da evolução da produção e do consumo de petróleo.

Índice

Previsões

A data exacta do Pico do Petróleo é um assunto ainda em aberto. Os picos de produção são muito difíceis de prever, e em geral só podem ser identificados de maneira segura algum tempo depois de ocorrerem. O pico da descoberta de reservas petrolíferas ocorreu em 1962 [3]. De acordo com as avaliações mais pessimistas, o Pico do Petróleo pode já ter ocorrido em 2006. As estimativas respeitáveis que existem para a data exacta distribuem-se entre 2006 e 2020, mas a maioria dos especialistas aponta actualmente para datas anteriores a 2012.

Consequências

As opiniões sobre os efeitos do Pico do Petróleo, e o declínio terminal a seguir, variam enormemente. Alguns prevêem que a economia de mercado a as capacidades inventivas dos seres humanos proporcionarão soluções que evitarão disrupções graves. Outros antecipam um cenário apocalíptico: a dissolução económica global, o colapso completo das sociedades industrializadas, e a morte da maior parte da população do planeta devido à fome e a conflitos armados. A maioria dos especialistas, aponta para cenários intermédios, ainda dificeis de prever porque os efeitos exactos dependem de numerosíssimas variáveis, entre as quais as ligadas a opções presentes e futuras a nível de politicas nacionais ou empresariais, e até ao nível dos comportamentos individuais dos habitantes humanos da Terra.

Ver também

Referências

Links relevantes



Forum.jpg Este assunto possui um tópico principal para discussão no Fórum de Bolsa Think Finance. Pode comentar as últimas novidades e ouvir as opiniões dos restantes participantes aí.