Pesquisa
 

Taxa de juro real

Da Thinkfn


A taxa de juro real é a taxa que reflecte a redução do poder de compra de um montante de juro. Calcula-se corrigindo a taxa de juro efectiva pela taxa média da inflação durante o período de aplicação. As três taxas estão ligadas pela seguinte relação:

i_{efectiva} = \left ( 1 + i_{real} \right ) \times \left ( 1 + i_{inflacao} \right )  - 1

onde:

i_{efectiva} é a taxa de juro efectiva,
i_{real} é a taxa de juro real, e
i_{inflacao} é a taxa média da inflação verificada durante o período (normalmente expressa nas fórmulas financeiras por \pi).

Daqui resulta que a taxa de juro real nos é dada pela fórmula:

i_{real} = \frac {1 + i_{efectiva}} {1 + i_{inflacao}} - 1

Alternativamente, pode obter-se uma boa aproximação prática à taxa real subtraindo, da taxa efectiva, a taxa da inflação:

i_{real (aproximada)} = i_{efectiva} - i_{inflacao}

Quanto menores forem ambas, menor será o erro.

Exemplo

Por exemplo, uma taxa de juro efectiva de 3% num período em que se regista uma taxa média de inflação de 2%, resulta numa taxa de juro real de:

i_{real} = \frac {1 + 0,03} {1 + 0,02} - 1 \ \simeq \ 0,0098

ou seja, 0,98%. Adoptando a aproximação prática, teriamos:

i_{real (aproximada)} \ = \ 0,03 - 0,02 \ = \ 0,01

ou seja, 1%.

Significado

O rendimento de uma aplicação cresce à sua taxa efectiva. Ao mesmo tempo, o poder de compra desse rendimento decresce, porque os preços aumentam, em média, à taxa da inflação.

Se for colocado dinheiro a prazo a uma taxa anual efectiva líquida (TAEL) de 3% e, durante esse período, for registada uma taxa média de inflação de 3%, no final da aplicação só se poderá comprar o mesmo que se compraria no início da aplicação. Por outras palavras, a taxa de juro real é 0%, nula, porque o que foi ganho em juros desvalorizou-se em igual montante.

Se a taxa da inflação for superior a 3%, em termos reais está a perder-se dinheiro. Por exemplo, para uma taxa de inflação de 3,5% está a perder-se por ano aproximadamente 0,5% em termos reais. Esta situação verificou-se em Portugal durante vários anos a partir de 2000, uma vez que, em média, as taxas de juro passivas praticadas pelos bancos foram inferiores à inflação.

Ver também