Crack spread

Da Thinkfn
float

Na industria petrolífera, e na transacção de futuros, Crack spread é o diferencial entre o preço do petróleo e os produtos derivados do petróleo dele extraídos; por outras palavras, é a margem de lucro que uma refinaria pode esperar ao extrair produtos do petróleo. Em química "craking" significa separar as partes componentes de uma substância: neste caso, refere-se à extracção de derivados de petróleo do crude.

Nos mercados de futuros, o "crack spread" é um spread trade específico que involve simultaneamente comprar e vender contratos de crude e de um ou mais produtos derivados, tipicamente gasolina ou "heating oil" (diesel). As refinarias podem transaccionar um "crack spread" para fazer hedging do seu negócio, enquanto os especuladores tentam lucrar com mudanças da relação entre crude e gasolina ou outros derivados.

Factores que afectam o crack spread

Um dos factores mais importantes que afecta o crack spread, é a proporção relativa dos vários produtos derivados do petróleo produzidos por uma refinaria. As refinarias produzem muitos produtos a partir do petróleo, incluindo gasolina, kerosene, diesel, heating oil, combustível para aviões, asfalto e outros. Até um certo grau, a proporção de cada produto produzido pode ser variada de forma a responder às condições do mercado, por exemplo ditadas pela sazonalidade (com maior consumo de gasolina no verão, de heating oil no inverno, etc).

O mix de produtos refinados também é afectado pelo tipo de crude processado por uma refinaria, e pelas capacidades da refinaria. Crude mais pesado (Heavy) possui uma proporção maior de hidrocarbonetos pesados. Como resultado, o Heavy crude é mais difícil de refinar para produzir produtos leves tais como gasolina. Uma refinaria usando processos menos sofisticados estará confinada na sua capacidade de optimizar o seu mix de produtos refinados quando processa heavy crude.

Trading de futuros

Para companhias petrolíferas integradas, que controlam toda a sua cadeia de produção da extracção petrolífera até ao retalho dos produtos refinados, existe um hedge económico natural face a movimentos adversos do preço. Para refinadoras independentes que compram o crude e vendem produtos refinados no mercado grossista, movimentos adversos do preço do petróleo ou produtos podem significar um risco económico substancial. Dado um mix óptimo de produção, uma refinaria independente pode tentar fazer um hedge comprando crude via futuros, e vendendo futuros do seu produto refinado, de acordo com as proporções de produção óptimas.

Por simplicidade, a maior parte das refinarias que desejam fazer um hedge para a sua exposição, têm usado um rácio geralmente expresso por X:Y:Z onde o X representa um número de barris de crude, O Y representa o número de barris de gasolina e o Z o número de barris de distilado, sujeito à condição X=Y+Z. Este rácio de crack é usado para fazer hedging comprando X barris de crude e vendendo Y barris de gasolina e Z barris de destilado no mercado de futuros. Este crack spread X:Y:Z reflecte o spread obtido por transaccionar crude, gasolina e distilado de acordo com esse rácio. Rácios bastante usados incluem 3:2:1, 5:3:2 e 2:1:1.[1]. O rácio crack spread 3:2:1 é o mais comum entre estes, e os crack spread usualmente quotados são o "Gulf Coast 3:2:1" e o "Chicago 3:2:1".

Vários intermediários financeiros no mercado de commodities criaram produtos para facilitar o trading de crack spreads, Por exemplo a NYMEX oferece futuros sobre crack spreads virtuais ao tratar um basket de contratos futuros do NYMEX correspondente a um crack spread como uma só transacção. [2]. Tratar baskets de futuros de crack spreads como uma só transacção tem a vantagem de reduzir as margens necessárias para uma posição de futuros num crack spread. Outros participantes que transaccionam no over the counter oferecem produtos ainda mais costumizados.

A seguinte discussão dos contractos de crack spread vem da publicação "Derivativos e gestão do risco nas indústrias de petróleo, gás natural e electricidade", da Energy Information Administration. [3]:

Os lucros das refinarias estão directamente ligados ao spread, ou diferença, entre o preço do crude e os preços dos produtos refinados. Visto que as refinarias podem prever fiavelmente os seus custos excepto o petróleo, o spread é a sua maior incerteza. Uma forma de uma refinaria assegurar um dado spread, seria comprar futuros de crude e vender futuros dos produtos derivados. Outra seria comprar calls sobre crude e comprar puts sobre os produtos. Ambas estas estratégias são complexas, porém, e requerem que quem faz o hedge mantenha fundos nas suas contas margem.

Para facilitar este fardo, a NYMEX em 1994 lançou o contrato de crack spread. A NYMEX trata compras de crack spread ou vendas de múltiplos futuros como um só trade com o propósito de estabelecer as margens necessárias. O contrato de crack spread ajuda as refinarias a fixar um preço de petróleo e um preço de heating oil e gasolina simultaneamente, de forma a estabelecer uma margem de refinação fixa. Um tipo de contrato crack spread junta a compra de 3 futuros de crude (10000 barris) com a venda um mês mais tarde de dois futuros de gasolina sem chumbo (20000 barris) e um futuro de heating oil (10000 barris). O rácio 3-2-1 aproxima-se ao rácio real de produção das refinarias. Os compradores e vendedores destes contratos precisam unicamente de se preocupar com as margens do contrato de crack spread, não necessitam de levar em conta as margens individuais para os trades subjacentes.

Um rácio médio de 3-2-1 baseado em crude doce (sweet crude) não é apropriado para todas as refinarias, porém, e o mercado OTC (over the counter) providencia contratos que reflectem melhor a situação de cada refinaria. Algumas refinarias especializam-se em crudes pesados, enquanto outras se especializam em gasolina. Uma coisa que os traders OTC podem tentar fazer é agregar várias refinarias individuais de forma a que o portfolio do trader se aproxime dos rácios da bolsa (NYMEX). Os traders também podem conceber Swaps que são baseados nas diferenças entre as situações dos seus clientes e os standards da bolsa.

Referências

Links relevantes