ABCP

Da Thinkfn

Asset backed commercial paper (ABCP) é uma forma de papel comercial emitido por empresas financeiras ou veículos criados para o efeito (como SIVs), em que o valor do papel comercial é garantido pelos cash flows de uma Pool (conjunto) de activos, daí "asset backed". Estes activos são tipicamente hipotecas, empréstimos para financiar cartões de crédito, empréstimos a empresas, etc.

Tipicamente o papel comercial era apenas emitido por grandes empresas, com ratings de crédito elevados (AAA), fruto da sua solidez financeira e larga geração de cash flow. A diferença no ABCP está na forma como as entidades que o emitem alcançam os mesmos ratings de crédito, via estruturação dos cash flows de forma a que o risco de crédito é primeiramente suportado pela fatia de capital e por tranches mais júniores de dívida que recebem todas as primeiras perdas que os activos gerem. Isso permite que ratings de crédito mais elevado sejam atribuídos às tranches mais sénior.

O ABCP como as restantes formas de papel comercial possui maturidades curtas, sempre abaixo de um ano, e tipicamente entre 90 e 180 dias. Isso significa que, quem o emite e nele se baseia para financiar a sua actividade tem que estar constantemente a refinancia-lo.


Presente crise de crédito

Fig.1. Evolução de várias formas de papel comercial
Na presente crise de crédito o ciclo de refinanciamento constante do ABCP foi quebrado, fruto da desconfiança generalizada do mercado nos activos que o garantem, nomeadamente nas hipotecas, e dentro destas, nas hipotecas de elevado risco (subprime). A quebra de confiança pode ser observada na Figura 1, representando diversas formas de dívida e a sua evolução, a quebra do ABCP é particularmente impressionante.[1]

Como resultado da quebra dos refinanciamentos constantes do ABCP, as firmas que o emitiram estão geralmente a sentir grandes dificuldades, cessando actividade e liquidando as condutas, ou alternativamente fazendo valer garantias de financiamento bancário que possuem de forma a que o financiamento deixa de ser feito pelo mercado de papel comercial e passa a ser feito via financiamento bancário. Isto está a engordar, de forma forçada, as folhas de balanço dos bancos envolvidos, levando também a uma tentativa falhada de criar um super-SIV denominado MLEC (Master Liquidity Enhancement Conduit) para absorver todos estes passivos indesejados.

Referências